A Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), em parceria com a Câmara Municipal de Abrantes e a Universidade de Aveiro, organizou no passado dia 6 de Fevereiro de 2018 um workshop sobre os desafios do alojamento local. A sessão realizou-se no Parque Tejo, no Rossio ao Sul do Tejo, e contou com grande adesão de público, entre representantes de várias entidades locais e regionais que trabalham no âmbito do turismo, empresários e pessoas interessadas neste sector da economia que mais do que quadruplicou nos últimos três anos, por via do bom desempenho do turismo nacional.

Na sessão de abertura, a presidente da Câmara, Maria do Céu Albuquerque, deu as boas vindas aos participantes, cumprimentando em particular os empresários do concelho que estão a apostar nesta área de atracção do turismo “essencial para criar condições de oferta qualificada de alojamento”, a par da oferta hoteleira, nos territórios de baixa densidade, aproveitando também, no caso do concelho de Abrantes, os incentivos municipais, no âmbito da regeneração urbana.

Pedro Machado, presidente do Turismo Centro de Portugal, salientou que o alojamento local é “um modelo de negócio em crescimento e com vantagem competitiva”. Nesse âmbito, referiu que o Turismo Centro está a trabalhar com vários parceiros, entre os quais as Câmaras municipais, em pacotes turísticos integrados no sentido de atrair turistas a uma região alternativa aos grandes centros urbanos de Lisboa e do Porto. “Um destino a qualificar-se e a modernizar-se”, evidenciou Pedro Machado que sublinhou o crescimento da actividade turística  na região centro. Crescimento superior à média nacional. Aludiu também ao crescimento do nº de turistas na região do Médio Tejo: 2014, 800 mil turistas; 2015, 935 mil; 2016, 1 Milhão e 305 mil.

A AHRESP apresentou também dados que evidenciam o crescimento do alojamento local na região do Médio Tejo. Entre 2016 e 2017, teve um crescimento na ordem dos 100,6%. No concelho de Abrantes, o número de estabelecimentos de alojamento local registados  á data são de 24 unidades, de acordo com o RNAL – Registo Nacional do Alojamento Local. Segundo a AHRESP, entre 2016 e 2017, verificou-se um crescimento na ordem dos 33%.