A Câmara de Abrantes assinou ontem, dia 21 de Novembro, cinco protocolos com outras tantas instituições de diferentes áreas do conhecimento com o objectivo de reforçar as competências científicas e potenciar a utilização do ParqueTEJO – Centro de Acolhimento e Interpretação do Tejo.

O objectivo, frisou Maria do Céu Albuquerque, presidente da Câmara de Abrantes, “não é criar no ParqueTEJO um novo Centro de Ciência Viva”, antes “potenciar, com o aumentar de escala e acrescentar valor, o conhecimento do rio Tejo e de toda a sua envolvente”, através da parceria hoje formalizada com três Centros de Ciência Viva da região envolvente [Alviela, Constância e Proença-A-Nova], Centro Integrado de Educação em Ciências, de Vila Nova da Barquinha, e A.Logos – Associação para o Desenvolvimento de Assessoria e Ensaios Técnicos.

Para além de servir de apoio a áreas como o campismo, o desporto e outras actividades lúdicas e de lazer, o ParqueTEJO, instalado nas margens ribeirinhas de Abrantes, no distrito de Santarém, dispõe de um núcleo de interpretação do Tejo com equipamentos interactivos que pretendem ajudar a conhecer a região e o rio Tejo, “da nascente à foz”, através de actividades científicas ligadas à água e ao ambiente.

“Com o estabelecimento destes protocolos será concretizada agora a sua plena actividade, com vocação particular para as escolas, mas também para o público em geral”, destacou a autarca, através da realização de iniciativas como exposições temáticas, acções de formação, ateliês, debates, cafés ciência, entre outras actividades que assentam no estabelecimento da rede de informação e divulgação de conhecimento hoje constituída.

“Vamos promover diversos campos de férias, ao longo do ano, sendo que o campo de férias na altura do verão vai ter um programa alargado a todo o país”, disse Maria do Céu Albuquerque, tendo referido que o ParqueTEJO “é a sede, com as suas actividades, programas e onde se dorme”, mas “possibilitando depois a visita a todos os Centros de Ciência Viva, num potenciar de sinergias com os nossos parceiros”.

O momento serviu ainda para inaugurar a exposição temporária “Mero, o senhor das pedras”, para assinalar o lançamento da Semana da Cultura Cientifica, com debates e colóquios ao longo da semana, e a apresentação de um plano de actividades até 2017 que se pretende que “contribua de forma efectiva para a promoção e divulgação do Tejo em vários domínios, nomeadamente da divulgação científica, da interpretação ambiental, da exploração pedagógica, da animação recreativa e da promoção turística”.

Ainda hoje decorreu a pré-apresentação da exposição permanente “ParqueTEJO – Bilhete de Identidade”, da responsabilidade de Cristina Andrade, Directora do Laboratório de Investigação Aplicada em Riscos Naturais do Instituto Politécnico de Tomar (IPT), uma exposição permanente relacionada com aspectos biofísicos, de fauna e flora do Rio Tejo e o seu enquadramento em Abrantes, no Médio Tejo e na Península Ibérica.

O Ciclo de conversas “Tejo, logo existo” vai ter a sua primeira edição na quinta-feira, dia 24, sobre “A Biodiversidade do Tejo” e o “Balanço 2016 do Ano Internacional do Entendimento Global (IYGU) – Construindo pontes entre os pensamentos globais e as acções locais” foi hoje anunciado para dia 15 de Dezembro.

Download PDF