Afirmar o Ribatejo é o desafio que nos espera para 2018.
Pegando no discurso de fim-de- ano do Presidente da República que diz esperar que 2018 seja o ano da “reinvenção”, também nós, por cá, precisamos de “reinventar” esta região, afirmando-a pela positiva e sublimando todos os seus atributos, competências e mais valias, em todas as áreas de acção.

Pegando, igualmente, nas palavras de Ludgero Mendes, administrador deste Jornal, na passada edição, “daremos o melhor do nosso esforço e da nossa capacidade para lutar pela (re)afirmação do Ribatejo como uma região com dimensão, com autonomia e com massa crítica para não ter que ser partilhado com o Alentejo, com Lisboa ou com Coimbra”.

O Correio do Ribatejo sempre foi um Jornal de causas. Ajudou a erguer edifícios, estátuas e valores. Há 81 anos, já eramos o porta-voz do projecto de criação da Província do Ribatejo, “Jornal de Todos e Para Todos os Ribatejanos”, divisa que voltámos a exibir, com orgulho, pela nossa gente.
Felizmente que começa, de novo, a ouvir-se em muitos sectores de actividade – também a nível empresarial – essa necessidade premente de reerguer o Ribatejo como Marca de Prestígio.

Recentemente, o NERSANT reclamou a criação da Entidade Regional de Turismo do Ribatejo e o seu presidente da Comissão Executiva foi mais longe, ao concluir que “o Ribatejo precisa de uma entidade regional própria, conhecedora do território, das suas potencialidades e necessidades, que trabalhe uma estratégia para a região”.

O renascido Fórum Ribatejo tem-se batido pela consolidação deste território, e acompanhado algumas realizações que o têm reafirmado, como o Centro de Documentação do Ribatejo, os encontros dos Historiadores Locais, o I Encontro de Cultura Popular do Ribatejo e o colóquio “O Ribatejo e a 1ª República”, acções que colocaram o Ribatejo de novo no mapa da discussão.

Para o próximo Outono anuncia-se o colóquio sobre o rio Tejo, em Santarém, na premissa de não nos esquecermos que há um rio que nos une e não que nos divide e que precisa urgentemente que o defendamos, dentro e fora de portas, contra tudo e contra todos.

João Paulo Narciso