Homenagem Dr Fernando SalgueiroEm noite agradável, de temperatura moderada e com escasso vento, a praça de toiros de Almeirim foi cenário de uma corrida de toiros à portuguesa de homenagem póstuma ao cavaleiro tauromáquico e ganadeiro Dr. Fernando Salgueiro, uma grande figura do toureio equestre que, sem desdouro para nenhum dos intervenientes, bem justificaria um cartel de figuras consagradas. Talvez, até, a reaparição, nem que fosse por apenas uma corrida, de seu neto, João Salgueiro, indiscutivelmente a figura maior da dinastia salgueirista e um dos melhores cavaleiros de todos os tempos. Mas, enfim, foi o que se pôde arranjar…

Em praça estiveram os cavaleiros João Moura Jr., Mateus Prieto e João Salgueiro da Costa e os Grupos de Forcados Amadores de Montemor e do Aposento da Chamusca, capitaneados, respectivamente, por António Vacas de Carvalho e Pedro Coelho dos Reis. Os toiros pertenciam à ganadaria de Mário Vinhas e Herdeiros de Manuel Vinhas, bem apresentados e a cumprirem na generalidade.

João Moura Jr., a atravessar um bom momento de forma, apresentou-se como o toureiro mais amadurecido da terna, rubricando duas actuações muito positivas, porém destacando-se na segunda, em que deu nota dos seus vastos recursos técnicos para agradar ao público pelo acerto na brega e pela emotividade na colocação da ferragem, rematada com adequados adornos, a equilibrar o seu oponente, como mandam as regras. Saiu em plano de triunfador e temos a sensação de que a cada corrida que passa o jovem marialva de Monforte evidencia mais competência e mais capacidade para se impor à concorrência e alcandorar-se a um patamar de nível elevado.

Mateus Prieto é um jovem valoroso, que reúne condições técnicas para singrar neste difícil mundo taurino, mas a quem se nota a falta de placeamento, próprio de quem toureia tão pouco. Face a este condicionalismo, determinante em tão exigente profissão, há que reconhecer que Mateus andou diligente, cumpriu o seu papel, e no segundo toiro do seu lote até esteve num plano muito satisfatório. Desembaraçado na brega, valente no desenho das sortes e criterioso na escolha dos terrenos, Mateus Prieto consumou algumas sortes muito apreciadas, que o público não deixou de sublinhar com calorosas ovações.

João Salgueiro da Costa, bisneto do cavaleiro homenageado nesta noite, é um caso no actual panorama taurino. Todos lhe reconhecemos potencialidades técnicas e valor de sobra para dar o passo em frente e competir de igual para igual com as figuras da nova geração, mas, ou porque na sua cuadra não abundam craques que lhe permitam mais actividade e maiores apertos, ou porque emocionalmente não esteja convicto dos seus méritos, Salgueiro da Costa alterna amiúde detalhes de uma grande valia com outros de escasso interesse, e esta inconstância é o que o impede de se impor. Nesta noite especial para toda a Família Salgueiro foi o que aconteceu. Andou algo precipitado na lide do primeiro toiro do seu lote, até com alguns equívocos, porém no que encerrou a corrida o jovem marialva já atingiu outra dimensão e rubricou detalhes de muita qualidade. Este será, naturalmente, o verdadeiro Salgueiro, que tem de se consolidar regularmente a este nível.

Os Grupos de Forcados Amadores de Montemor e do Aposento da Chamusca proporcionaram bons e emotivos momentos ao rubricarem valorosas pegas, com os Grupos a ajudarem com coesão e empenho. Pelos Amadores alentejanos foram solistas Francisco Bissaia Barreto, Manuel Dentinho e Luís Valério, que consumaram todas as suas sortes, correctas e vistosas, ao primeiro intento, e pelo Aposento da Chamusca João Vinagre consumou a sua pega ao terceiro intento, com a sorte já algo carregada, e Francisco Andrade e Rui Salgueiro concretizaram duas pegas muito correctas e emotivas ao primeiro intento. Direcção atenta e criteriosa de Lourenço Luzio, assessorado pelo médico veterinário Dr. Luís Cruz.

 

*Texto publicado em edição impressa de 18 Setembro

Download PDF