Maria Fernanda Barata (3)Estou a escrever no dia 5 de Outubro de 2015, dia em que se comemora a implantação da República em Portugal.

Esta data de tanto significado, não pode nem deve ser esquecida por nós, Portugueses, pois a República mudou a vida do País em todas as áreas.

O direito à Educação para todos foi um emblema da Primeira República, assim como o direito à Liberdade de pensamento e de expressão.

Sabemos que o Povo, mergulhado no mar do analfabetismo, não tinha direitos, mas muitos deveres.

Os Republicanos de então eram idealistas que sonhavam com a Liberdade, a Igualdade e a Fraternidade, facto que os levou a uma grande generosidade com os vencidos.

O Povo Português tem o dever de homenagear os idealistas que se sacrificaram pela República. É isso que faz, todos os anos, no dia 5 de Outubro, estando presentes os mais altos dirigentes do nosso País.

Este ano, as comemorações do 5 de Outubro ficaram ensombradas pelas ausências, perdendo o brilhantismo de anos anteriores.

Embalados por altos ideais, ambicionamos um Mundo melhor, sem pobrezas gritantes, sem velhos abandonados, sem jovens desempregados, sem crianças sem pão e sem agasalhos.

Este modesto artigo tem a finalidade, não só de lembrar o 5 de Outubro de 1910, mas também homenagear os Republicanos de Santarém já falecidos que sacrificaram tudo pelos seus ideais.

Não é preciso citar os seus nomes, não é verdade, Caro Leitor? Todos os sabemos.

Um cumprimento ao Leitor

 

Mª Fernanda Barata

*Texto publicado em edição impressa de 9 Outubro