Maria Fernanda Barata (3)O Dia 10 de Junho é um marco de grande importância na História de Portugal.

É o dia em que lembramos Luís de Camões, o maior Poeta Português de todos os tempos, conhecido e admirado por todo o Mundo culto.

Ele é o símbolo da Pátria livre e imortal, aquele que escreveu “Os Lusíadas”, obra belíssima, que todos os Portugueses deveriam conhecer.

O génio de Camões iguala-se aos famosos Homero, Virgílio, Dante, Cervantes, Shakespeare e Goethe, verdadeiras glórias de Humanidade.

Festejamos Portugal, um País com séculos de História, que nos honra e dignifica pelo seu passado grandioso e pelas suas figuras notáveis que todos veneramos patrioticamente.

Festejamos as Comunidades Portuguesas que, fora deste “rectângulo” lindíssimo dignificam o seu País, pelo trabalho, pela dignidade e principalmente, pelo amor que dedicam a Portugal.

Podemos dizer que através dos tempos, as Comunidades Portuguesas têm sido os nossos “embaixadores” nos vários países do Mundo, não esquecendo os nossos costumes, as nossas tradições e a nossa Língua, falada por milhões de pessoas.

Ontem como hoje, Portugal comemora o seu grande Dia, na certeza de que esta terra será sempre livre, respeitada e admirada.

Para terminar este despretensioso artigo, acrescento que Luís de Camões terá nascido em 1524 e falecido em 1580, justamente no ano em que Portugal perdia a sua independência, só recuperada após sessenta anos de grande sofrimento e de revolta mal contida.

O pai de Luís de Camões chamou-se Antão Vaz e sua mãe, Ana de Sá.

Supõe-se que era seu parente próximo o Cónego de Santa Cruz de Coimbra, D. Bento de Camões, que muito o teria influenciado.

A primeira edição de “Os Lusíadas” saiu em 1572, com a ajuda do seu grande amigo,    D. Manuel de Portugal.

Um cumprimento ao Leitor

Mª Fernanda Barata

*Texto publicado em edição impressa de 12 de Junho