Maria Fernanda Barata (3)Em terras de Fornos de Algodres (Beira Alta) havia um castelo que escapou à destruição, quando Tarik, chefe de um exército mouro, conquistou a Península Ibérica.

Tempos depois, o dito castelo caiu nas mãos mouriscas, desta vez comandadas por Amir.

Este, ao entrar na capela do mesmo, deparou-se com um altar, junto do qual rezava uma jovem no sentido de salvar a vida de seu pai, o castelão.

Por desgraça, o castelão morrera em combate, facto que a filha não conhecia.

Amir voltou a encontrar a jovem, tendo ficado fascinado pela sua beleza.

A comoção dela foi de tal forma, que perdeu os sentidos e, durante vários dias, manteve-se nesse estado.

Valeu-lhe a sua aia, nesse momento difícil.

Entretanto, Amir e a jovem voltaram a encontrar-se e, embora professando religiões diferentes, apaixonaram- se perdidamente.

A  lha do Castelão recorreu à Virgem, pedindo-lhe a conversão de Amir, pedido que foi atendido.

Amir, já convertido à fé cristã, foi agradecer à Virgem o “milagre”, levando-lhe um ramo de açucenas.

Seguidamente, foi baptizado, tomando o nome de Forte, apelido que foi herdado pelos seus descendentes.

Esta é mais uma lenda que chegou aos nossos dias, facto que prova a imaginação do Povo Português.

Um cumprimento ao Leitor

*Texto publicado em edição impressa de 24 Julho