A primeira fábrica de telemóveis da Península Ibérica, IKI Mobile, vai instalar-se na capital mundial da cortiça, Coruche, e pretende associar a tecnologia à principal matéria-prima da região.

Na zona industrial do Monte da Barca, em Coruche, distrito de Santarém, já se iniciou a segunda fase da obra que, no total, vai envolver um investimento de 1,6 milhões de euros e permitir a criação de, pelo menos, trinta postos de trabalho.

Na apresentação do projecto, o presidente da Câmara Municipal de Coruche, Francisco Oliveira, destacou o novo alento que a instalação da unidade vai trazer ao tecido empresarial da região e acrescentou que este pode ser um exemplo a seguir por outras marcas.

“Coruche tem condições para a instalação de áreas empresariais e a IKI Mobile vem trazer um novo alento ao tecido empresarial da região e vem criar condições para que outras empresas possam seguir este exemplo”, disse à Lusa.

Francisco Oliveira acrescentou que os telemóveis da empresa portuguesa podem ser distinguidos pela tecnologia que apresentam, mas também por criarem uma imagem de marca associada à natureza.

“Eu acho que se deve distinguir pela diferença que tem em relação a outros produtos, não só a nível da tecnologia associada, mas também porque conseguiu criar, em termos de imagem de marca, uma relação muito directa com a natureza, neste caso com a cortiça e com o sobreiro”.

Já o diretor técnico e projetista da obra, Bruno Cardoso, destacou o potencial exportador da matéria-prima e as possibilidades de aplicabilidade do mesmo.

“Somos um dos principais países de exportação de cortiça”, que é um produto que “consegue ser aplicado em vários componentes e artigos” e, ao introduzi-lo, “estamos a reduzir outros materiais, o que torna o telemóvel muito mais atractivo e inovador”, vincou.

Questionado sobre as principais características do equipamento, Bruno Cardoso afirmou que existem vários modelos, a preços muito atractivos, comparativamente, com os produtos concorrentes.

Existem vários modelos, ”desde o mais baixo até ao topo de gama, mas a preços muito atractivos” e podem “ser vistos quer a nível nacional, quer no estrangeiro”, garantiu.

A empresa portuguesa prevê iniciar as primeiras montagens em Dezembro, produzindo 1.000 telemóveis a cada 22 dias, tendo como principais pontos de exportação Espanha e os Países de Língua Oficial Portuguesa (PALOP).