Já se vêem espalhados pelas ruas de Santarém alguns placards com os cartazes das corridas de toiros que terão lugar na Monumental “Celestino Graça”, por ocasião da Feira do Ribatejo – dias 10 e 17 de Junho. No geral confirmam-se os cartéis anunciados pelos sítios e blogues taurinos, que a empresa Aplaudir, Lda. privilegia na sua estratégia de comunicação – nada temos contra, mas registamos! – e os comentários, inevitáveis, não se fizeram esperar.

Muitos aficionados escalabitanos enalteceram o facto de estarem anunciadas primeiríssimas figuras do toureio mundial, embora alguns lamentem a ausência de um matador de toiros português na corrida de 10 de Junho. A presença de “El Juli” ou de “Morante de la Puebla” a par de um toureiro nacional – António João Ferreira ainda não se apresentou de matador na sua terra natal!!! – teria idêntica força de atracção de público e, naturalmente, os custos de organização da corrida seriam muito mais reduzidos, com óbvio reflexo na bilheteira.

Os preços dos bilhetes estão elevados, convindo não esquecer que a Monumental “Celestino Graça” tem uma lotação superior a onze mil lugares, o que permite praticar uma bilheteira mais acessível, pois, o poder de compra dos portugueses anda pelas ruas da amargura e quando toca a gerir o orçamento familiar as despesas supérfluas são muito criteriosamente definidas. Que não se espantem os organizadores destas corridas se, não obstante a categoria dos toureiros que integram os respectivos cartéis, não tiverem a afluência de público que à primeira vista se possa esperar. Parece que há quem não saiba que a vida está muito cara!

ludgero

Os cartazes não deixaram também de suscitar algumas críticas… Bem sabemos que as tradições evoluem e em matéria tauromáquica é imperativo que aconteçam algumas mudanças, mas há coisas que não se compreendem, nem justificam.

É tradição que os cavaleiros sejam anunciados em primeiro lugar nos cartazes, tal como acontece na ordem de lide, porém, nos cartazes de Santarém, tal não ocorre, sendo que na primeira corrida o rejoneador Diego Ventura surge entre os matadores “El Juli” e “Morante de la Puebla”, e na segunda corrida o matador “El Pirata” (!!!) surge posicionado acima dos cavaleiros Luís Rouxinol e Moura Caetano! Porquê, podem-me explicar?

Andou bem a empresa ao anunciar nas duas corridas o Grupo de Forcados Amadores de Santarém em solitário, pois, em regra, os grupos locais têm preferência nas corridas da sua terra, para mais quando apenas há seis toiros para pegar.

No mais vamos esperar o que acontece, fazendo votos para que não chova nas bilheteiras e que não tenhamos que recordar o que aconteceu com D. Diodoro
Canorea, primeiro empresário do tauródromo escalabitano, na corrida em que apresentou o fenómeno do toureio mundial “El Cordobés”… Para bom entendedor!

Ludgero Mendes