No âmbito do Ciclo de conferências “Crescer ao Shabbat” Mário Tropa disserta sobre “A arte como Intervenção Social”, dia 16 de Dezembro, pelas 16h00, na Casa do Brasil.

«A Arte sempre esteve condicionada à tradição, patente nas motivações religiosas e sociais, sujeita às doutrinas teológicas e às exigências culturais e políticas. O cunho pessoal da Arte não era determinado pelo individuo mas pela “escola”. Progressivamente, na medida em que o “tema” foi perdendo em importância e a Arte se refugiava no “pretexto”, a tradição tornava-se supérflua permitindo aos artistas maior margem à individualidade.

Mário Tropa é formado em Artes Plásticas e Pintura e foi Bolseiro da Fundação Calouste de Gulbenkian nos anos 60. Entre 1967 e 1990 foi professor de Desenho em Santarém, mais tarde leccionou na Escola Superior de Arte e Design das Caldas da Rainha e no Instituto Politécnico de Santarém. Como artista plástico, realizou e participou em exposições individuais e colectivas desde 1966. Está representado em colecções públicas e privadas em Portugal e no estrangeiro. Vive e trabalha em Santarém e Castelo (Mação).