“A sala de cinema do Centro Cultural do Cartaxo continua reservada ao melhor que o cinema independente produz na ficção e no documentário. Em Fevereiro o programa está reservado a quatro filmes que marcaram o Festival de Veneza e o Festival de Cannes – um deles foi Palma D’Ouro em 2017”, avança nota enviada ao Correio do Ribatejo.

O Centro Cultural do Cartaxo propõe noites passadas em frente ao ecrã na companhia de filmes imperdíveis – sempre às sextas e sempre às 22h00 a sala de cinema está reservada à emoção das histórias contadas pela sétima arte.

No passado dia 2, exibiu o filme “Uma Mulher não chora” de Fatih Akin, um drama de 2017 que conta que inesperadamente, a vida de Katja desmorona-se quando o marido Nuri e o filho Rocco morrem num atentado à bomba. Os amigos e familiares tentam apoiá-la em tudo o que conseguem e Katja consegue sobreviver ao funeral. Mas a busca pelos perpetradores e as razões que levaram ao atentado agravam o luto de Katja, abrindo feridas e dúvidas. Danilo, advogado e melhor amigo de Nuri, representa Katja no julgamento dos suspeitos: um casal neonazi. O julgamento leva Katja ao limite. Para ela não há outra alternativa senão fazer-se justiça. Este filme foi galardoado com o prémio ‘Melhor actriz’ no Festival de Cannes.

Na próxima sexta-deira, dia 9, é exibido o filme Shirin (2008) de Abdas Kiarostami, também ele um drama em que catorze actrizes iranianas e uma actriz francesa: espectadoras mudas da representação teatral Khosrow e Shirin, um poema persa do século XII, encenado por Kiarostami. O desenvolvimento do texto – que sempre apaixonou os espectadores na Pérsia e no Médio Oriente – permanece invisível para o espectador do filme. Toda a história é contada pelos rostos intensos e belos das mulheres que assistem ao espetáculo. Um mapa de ricas e pungentes emoções. É um trabalho “fora de campo” levado ao limite e fez parte da Selecção Oficial do Festival de Veneza.

Para o dia 16 o filme reservado é “Olhares Lugares” de Agnès Varda e JR, um documentário de 2017, vencedor do Prémio Golden Eye do Festival de Cannes, em que Agnès Varda, cineasta cuja visão e trabalho únicos lhe granjearam incontáveis fãs e JR, o icónico fotógrafo e muralista, com mais de um milhão de seguidores no Instagram, têm mais em comum do que se possa imaginar. Ambos partilham uma vida apaixonada pelas imagens – como são criadas, exibidas e partilhadas. Agnès escolheu explorar a sua paixão através do cinema e do documentário, enquanto JR o faz nas suas emocionantes instalações fotográficas ao ar livre. Quando JR, um fã de longa data de Agnès Varda, encontra a realizadora na sua casa na rua Daguerre, ambos percebem de imediato que têm de trabalhar juntos. Olhares Lugares documenta a viagem calorosa através da França rural, que percorrem juntos e a amizade terna que se forja durante o caminho.

Na última sexta do mês, a programação termina com a exibição do filme “O Quadrado” de Ruben Östlund, uma comédia dramática de 2017 onde Christian é o respeitado curador de um museu de arte contemporânea; homem divorciado e bom pai dos seus dois filhos, conduz um carro eléctrico e apoia boas causas. A sua próxima exposição, “O Quadrado”, é uma instalação que pretende evocar o altruísmo em quem a vê, recordando-nos o nosso papel enquanto seres humanos responsáveis pelos nossos congéneres. Mas às vezes é difícil viver à altura dos nossos ideais: a resposta incauta de Christian ao roubo do seu telefone vai conduzi-lo a situações das quais ele se envergonha. Entretanto, os Relações Públicas do museu criam uma campanha inesperada para “O Quadrado”. A reação é inflamada e lança Christian, bem como o próprio museu, numa crise existencial. Alvo de boas críticas por parte dos media nacionais e internacionais, venceu a Palma D’Ouro de 2017 no Festival de Cannes

Todas as sessões decorrem à sexta-feira pelas 22h00 e as entradas têm o valor de 3,00 euros. Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteira do Centro Cultural do Cartaxo de quarta a sábado.