Nuno SerraPassado o 25 de Abril torna-se mais fácil fazer um comentário às várias posições que, aqui e ali, foram tendo eco na comunicação social, local e nacional.

Engraçado (!), a maior parte das críticas que ouvimos, em especial de alguma esquerda, tem a ver com o uso, legitimo, da liberdade por parte de todos os quadrantes políticos – penso que alguns dos nossos figurantes mais mediáticos ainda acreditam que a Liberdade deve ser uma palavra que só alguns têm o direito de usar.

Como belo, e sonante, exemplo basta tomar atenção ao que alguns comunistas apelidaram de insulto aos valores do 25 de Abril; o anúncio da coligação de direita. Bom, fica-nos a dúvida; se o insulto é porque a direita, para alguns mais radicais de esquerda, não pode ter intervenção política no dia da liberdade ou, por outro lado, a liberdade que a esquerda proclama impede da direita de usar a liberdade que o 25 de Abril nos ofereceu.

Mas, felizmente, os partidos de direita convivem bem com essa truculenta forma de expressar a liberdade que outros partidos têm.

Imaginem só, temporalmente algures antes de 2005, que o Presidente de então, Dr. Jorge Sampaio, tinha agraciado Santarém com a Ordem de Mérito da Liberdade, como símbolo da marca que as nossas gentes deixaram na história de Portugal, e os partidos de direita tivessem criticado esta homenagem e não comparecido à cerimonia oficial; já imaginaram o que os partidos de esquerda iriam dizer?

Pois bem, em 2015, passou-se tudo exatamente o contrário!

“O PSD orgulha-se do Homens e Mulheres que fizeram de Santarém o símbolo da Liberdade em Portugal e felicita todos os que, desde os tempos antigos e até hoje, fizeram da nossa terra: uma Terra de Liberdade” foram as palavras do partido social democrata de Santarém.

E estes são os valores do PSD: nunca irá condenar a liberdade de outros partidos criticarem a liberdade de um Presidente da Republica agraciar a nossa cidade, com o símbolo máximo da liberdade, e, poderem, na posse da sua livre opinião, optarem livremente por não comparecer a esta cerimónia, que tanto representou para Santarém.

Viva a Liberdade!

Nuno Serra