Na galeria do Teatro Sá da Bandeira, em Santarém, começou a ser construída “uma cronologia para a dança em Portugal”, um exercício colectivo de investigação e de sinalização de eventos significativos desta prática artística em Portugal.

A exposição/exercício colectivo “Para uma Timeline a Haver – genealogias da dança enquanto prática artística em Portugal” é inaugurada, juntamente com “A Dança do Existir”, uma retrospectiva em imagens do trabalho coreográfico de Vera Mantero, patente no Piano-bar, e com a apresentação de “três peças curtas” desta coreógrafa, no âmbito do projecto “Nova-Velha Dança”, que a Associação Parasita promove com o Teatro Sá da Bandeira (TSB) até 17 de Junho.

O projecto “Nova-Velha Dança” é composto por espectáculos, exposições, conversas e oficinas que vão decorrer em diversos espaços da cidade de Santarém, convidando a visitar “diversos contextos estéticos e sociais da produção coreográfica do Portugal democrático”, afirma uma nota de divulgação do evento.

Durante quatro meses serão apresentados “trabalhos referenciais da chamada Nova Dança Portuguesa”, surgida na segunda metade do século XX, mas também incentivada a produção actual com a apresentação de peças de coreógrafos cujo trabalho se tem afirmado na última década em circuitos independentes, afirma a nota da associação Parasita, criada em Santarém em 2014 por João dos Santos Martins.

O jovem coreógrafo escalabitano, com percurso formativo e performativo em vários países, disse à Lusa que este regresso ao seu concelho natal visa “colmatar um vazio” em relação à dança e à coreografia na programação da cidade.

A “Timeline” que está patente desde sexta-feira, dia 24, “propõe a construção singular de uma série de cronologias para a dança contemporânea em Portugal, relacionando eventos de matriz social, política, cultural, biográfica e artística, sugeridos como significativos por bailarinos, coreógrafos, críticos, técnicos, historiadores e espectadores”.

Por outro lado, a exposição “A Dança do Existir” mostra cerca de 30 fotografias que traçam o percurso de Vera Mantero, das primeiras criações às mais recentes, e permite a consulta de registos videográficos de alguns dos trabalhos da coreógrafa.

Vera Mantero apresentará esta sexta-feira, à noite, no palco do TSB, o primeiro espectáculo do projecto, “3Soli, 3 peças curtas”, originalmente produzidas entre 1991 e 1996, “Uma Misteriosa Coisa, disse o e.e.cummings”, de 1996, “Talvez ela pudesse dançar primeiro e pensar depois”, de 1991, e “Olympia”, de 1993, seguindo-se uma conversa com a coreógrafa e com a dramaturgista e investigadora Ana Bigotte Vieira.

No sábado à tarde, em co-apresentação com o Cineclube de Santarém, vai ser exibido “Curso de Silêncio”, de Miguel Gonçalves Mendes e Vera Mantero (versão de Vera Mantero), e “Let’s Talk about it now”, de Margarida Ferreira de Almeida.

Download PDF