A fábrica de telemóveis com cortiça da Iki Mobile em Coruche, que é inaugurada amanhã, terça-feira dia 6, deverá produzir entre 34 e 36 mil dispositivos mensalmente nos primeiros meses, disse hoje à Lusa o presidente executivo.

“Em velocidade cruzeiro temos capacidade de produzir 100 mil telemóveis por mês”, mas nos primeiros meses do arranque oficial da unidade de Coruche, a empresa estima fabricar “entre 34 e 36 mil”, referiu o presidente executivo, Tito Cardoso.

Questionado sobre o aumento de produção da unidade, que resulta de um investimento de 1,6 milhões de euros, o empresário adiantou que será o mercado “a ditar” o ritmo.

Além da unidade de Coruche, a Iki Mobile conta também com uma fábrica na China que produz, essencialmente, para países na região, entre os quais Malásia e Indonésia, entre outros.

Já a unidade portuguesa, que vai contar na inauguração com a presença do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, vai produzir telemóveis para “Europa, África, América do Norte e alguns países da América do Sul, como por exemplo o México”, adiantou o responsável.

O mercado árabe também será destino dos produtos produzidos em Portugal.

Na unidade de Coruche serão produzidas as ‘carcaças’ dos telemóveis, será feita a prova de resistência do produto e a assemblagem (montagem), bem como o desenvolvimento do ‘software’ do dispositivo.

“É importante Portugal estar connosco, reconhecer este passo diferente de ambição”, comentou o empresário, aludindo ao facto de Caldeira Cabral marcar presença no evento.

O investimento feito na fábrica foi realizado sem apoios comunitários, uma vez que a Iki Mobile ainda não recebeu resposta de duas candidaturas que fez ao Portugal2020.

Além de telemóveis, “em breve vamos lançar” um ‘tablet’ que será produzido na unidade portuguesa, acrescentou.

A inauguração desta fábrica “significa a mudança de tecnologia, é um marco para a empresa e para Portugal, já que tem um produto inovador” de origem portuguesa, afirmou o empresário.

A Iki Mobile vai marcar presença na feira de tecnologias de Barcelona, onde vai “representar a floresta portuguesa”, com o montado, uma vez que a marca portuguesa, lançada em 17 de Novembro de 2015, utiliza cortiça nos seus dispositivos móveis.

Relativamente à facturação de 2017, embora as contas ainda não estejam fechadas, Tito Cardoso disse que a Iki Mobile “ultrapassou os quatro milhões de euros”, ou seja, “mais 35%” do que em 2016.

Foto: facebook Iki Mobile