O teatro Rosa Damasceno fechou para obras de modernização segundo o projecto do arquitecto Amílcar Pinto, entre o final de Maio de 1937 e 16 de Junho de 1938. A Mesa da Misericórdia, a Banda dos Bombeiros e a direcção do teatro Rosa Damasceno organizaram-se a fim de apresentarem a exibição de filmes a “preços popularíssimos” a favor da primeira, durante o período de Verão de 1937, na Cerca do Asilo da Misericórdia, paralelamente ao programa cinematográfico do teatro Sá da Bandeira.

A inauguração da esplanada com “cinema ao ar livre” deu-se no domingo, 20 de Junho de 1937, com a exibição do filme “Chuva de Mulheres”, de Geza von Bolvary, êxito no Tivoli em Lisboa e posterior sucesso a 20 de Agosto de 1939, no teatro Rosa Damasceno. A partir de 27 de Junho, as sessões passaram a decorrer maioritariamente ao domingo e à terça-feira à noite. Os filmes projectados nessa semana foram a comédia “Irmãos Gémeos”, com Stand Laurel e Olivier Hardy, os famosos Bucha e Estica, “Cantemos outra vez”, com Bobby Breen e “Brincando com a Morte”, com Tom Reene.

teresa 10-05

Entre 4 e 5 de Julho, a Cerca do Asilo apresentou o filme de propaganda da ditadura, “A Revolução de Maio”, do realizador António Lopes Ribeiro e do argumentista António Ferro, financiado pelo Secretariado de Propaganda Nacional que voltou a ser exibido na última sessão da esplanada, realizada a 10 de Outubro, “onde o público vai ter ocasião de admirar a obra do ressurgimento português sob a égide do Estado Novo” (CE, 9/10/1937, p. 2). O filme foi também projectado no teatro Rosa Damasceno, a 19 de Outubro de 1941, inserido numa sessão de propaganda eleitoral onde falaram António Carlos Borges, Artur Proença Duarte, Eugénio de Lemos e Lino Dias Valente.

Nas restantes semanas de Julho foram exibidos os filmes: “O Rapaz do Elefante”, com “o pequenino actor de raça negra Sabu” (CE, 10/7/1937, p. 2); “O Pequeno Lord”, com o actor inglês de 12 anos, Freddie Bartholomew; “Nos Mares da China”, com Clark Gable, Jean Harlow e Wallace Beery; “Os Homens não são Deuses”, com Miriam Hopkins; “Um Advogado em Calças Pardas”, com o francês Fernand Gravey; “Não te esqueças”, com Benjamno Gigil e Joan Gardner e “Bozambo”, com Leslie Banks e Paul Robson.

Na primeira semana de Agosto, tal como numa das últimas semanas de Julho, as sessões de cinema decorreram ao domingo e à quinta-feira e foram apresentados os filmes: “A Mão Fatal”, em 31 parte e 15 episódios; “A Cidade sem Lei”, com Miriam Hopkin e Edward G. Robinson; “Tempos Modernos”, de Charlie Chaplin; “Abaixo o Jazz”, com Liane Haid, Hermann Thimig e Gusti Huber; “O Caminho do Paraíso” com Lilian Harvey e Henry Garat; “Alta Escola”; “A Loira Carmen”; “Porto-Artur”, filme histórico europeu do realizador Nicolas Farkas, com Danielle Darrieux; o musical “Voando para o Rio de Janeiro”, com Fred Astaire e Ginger Rogers; o policial “Ladrão de Casaca”, com Melvyn Douglas e Carl Patrick; a comédia musical “O Autofalante”, com Ray Walker e Jacqueline Wells; “Hip, Hip, Hurrah”; “Os Renegados do Oeste”; a comédia “O senhor doutor e seu marido”, com Lucien Baroux; “Aventura de Repórter”, com Jean Artur e George Murphy; a comédia “A Vénus de Oiro” e o musical “Quando o Rouxinol canta”, com Martha Eggerth.

Durante o mês de Setembro foram exibidos os filmes: a comédia “A Mulher das Pérolas”, com Myrna Loy e Spenser Tracy; “Cavaleiros de Capa e Espada”; “Patrulha Perdida”, com Victor Mac Laglen; a produção francesa “O Pirata Bailarino”, “A Deusa do Fogo”, “O Grande Ziegfeld”; “Uma Tarde num Jardim”, realizado por Frank Capra; a comédia “Um Demónio de Saias”; “Os Últimos Dias de Pompeia”; “O Denunciante”; o drama “O Fidalgo Amador”, com Douglas Fairbanks Jr.; a opereta “Quando o Amor nasce…”, com Martha Eggerth. A 3 de Outubro de 1937, foram exibidos a produção de Samuel Goldwin, “Pai contra Filho”, com Edward Arnod e Joel Mc Crec e a opereta “A Flor de Hawai”.

Entre 20 de Junho e 10 de Outubro foram exibidos 41 filmes ao longo de
31 dias. Muitos desses filmes já tinham sido exibidos no teatro Rosa Damasceno como: “A Flor de Hawai” (25 de Outubro de 1934), “Voando para o Rio de Janeiro” (1 e 2 de Janeiro de 1936), “O Denunciante” (5 de Março de 1936), “Quando o Amor nasce…” (25 de Novembro de 1936), “O Pequeno Lord” (30 de Novembro de 1936), “O Pirata Bailarino” (3 de Janeiro de 1937), “O Grande Ziegfeld” (17 e 18 de Janeiro de 1937) e “Tempos Modernos” (4 e 5 de Abril de 1937). As comédias e os musicais predominaram entre as películas exibidas.

Os filmes portugueses foram os grandes ausentes nesta esplanada de Verão onde o cinema norte-americano e alguns êxitos europeus marcaram presença.

Teresa Lopes Moreira