O navegador solitário Ricardo Diniz vai levar uma imagem de Nossa Senhora de Fátima até ao Brasil, numa viagem que demorará mais de um mês, comemorativa do Centenário das Aparições e dos 300 anos da Senhora da Aparecida.

No domingo, no final da missa agendada para as 11:00, o Santuário de Fátima entregará ao velejador de 40 anos uma imagem de Nossa Senhora. Logo depois, Ricardo Diniz cumpre o primeiro de seis dias a pé até Peniche, numa peregrinação pessoal de mais de 80 quilómetros que, no final do mês, o levará daquela localidade piscatória do distrito de Leiria até São Salvador da Baía, um percurso de cerca de 6.600 quilómetros, a solo, num veleiro com 20 metros, coberto de flores frescas.

“Não são autocolantes de flores, são flores frescas que as pessoas vão deixando no barco”, disse à agência Lusa Ricardo Diniz, justificando a partida do porto de Peniche pela devoção que a localidade piscatória mantém a Nossa Senhora.

Aquela população “é muito devota, a relação que os pescadores têm com Nossa Senhora é fortíssima e esta viagem é também um tributo a isso”, disse Ricardo Diniz.

“Acredito que, independentemente da fé de cada um e das crenças de cada um, o que interessa são os valores transmitidos por Nossa Senhora de Fátima”, frisou.

De abril a junho de 2014, Ricardo cumpriu uma viagem semelhante, igualmente solitária, de 42 dias entre Lisboa e São Salvador da Baía, com escala na Madeira e Cabo Verde, então para homenagear a seleção portuguesa de futebol.

“Esta é uma viagem bastante diferente, também numa altura diferente, é época de furacões e no hemisfério sul o clima não é tão favorável. Mas é o mesmo mar de há 500 anos e é preciso ser humilde para lidar com ele”, frisou o velejador português.

A largada de Peniche, embora dependente das condições climatéricas, está agendada para dia 29 de outubro e a viagem até ao Brasil deverá demorar cerca de um mês a um mês e meio, em função dos ventos e das condições de mar.

À chegada a São Salvador da Baía, a imagem de Nossa Senhora será entregue pelo navegador solitário às autoridades eclesiásticas locais.

Ricardo Diniz está a trabalhar neste projeto há cerca de ano e meio – o financiamento tem sido assegurado por donativos, muitos de cidadãos anónimos, portugueses e brasileiros – e, “por respeito aos valores da missão”, o seu veleiro “não terá visíveis quaisquer logótipos de patrocinadores”, mas apenas a citação “Fé, Paz, Amor”, em inglês e português.