Num direito que livremente lhe assiste, para mais vivendo num país supostamente de direitos cívicos inalienáveis à pessoa humana, a actriz Fernanda Serrano assistiu na sexta-feira, dia 18 de Agosto, à corrida comemorativa do 125º aniversário da inauguração da praça de toiros do Campo Pequeno, uma noite memorável que foi transmitida em directo pela TVI. Até aqui tudo bem! Só que a Associação SOS Animal, numa atitude aberrante, paternalista e anti-democrática, promoveu uma campanha de difamação e de crítica gratuita por este facto. Quem pensará a SOS Animal que é para se arrogar o direito de condenar na praça pública um cidadão, por mais ou menos mediático que seja, sobre os seus gostos e as suas opções estéticas e culturais? Anda tudo louco!

A Federação Prótoiro, um pouco tardiamente, mas mais vale tarde do que nunca, veio a terreiro defender a actriz pelo desaforo da associação animalista, em comunicado que aqui transcrevemos integralmente: “No passado dia 24 de Agosto, a atriz Fernanda Serrano expressou a sua opinião sobre a tourada à Revista Lux. No âmbito da sua presença na corrida que celebrou os 125 anos do Campo Pequeno, no passado dia 18 de Agosto, Fernanda Serrano afirmou: “Sou uma fã de touradas, embora hoje não seja muito elegante dizer-se, causa um bocadinho de espécie a muita gente, e respeito obviamente, mas o facto para mim é que é quase cultural, por ser alentejana e por ser uma tradição já bastante vincada na família. Gosto desde pequenina e desde essa altura que me recordo de ir”.

A actriz acrescentou ainda que “respeito a liberdade de expressão de todos, obviamente, e espero que respeitem a minha, que tenham isso em consideração”. Após estas declarações a Associação SOS Animal teceu um violento ataque à actriz na sua página de Facebook, apelando inclusivé ao boicote dos espectáculos que contassem com a participação desta actriz.

A Prótoiro – Federação Portuguesa de Tauromaquia, repudia e condena este ataque ao direito de opinião e à liberdade individual. Uma vez mais ficou demonstrada a intolerância e a visão totalitária dos movimentos anti-taurinos, que não aceitam opiniões distintas.

A tauromaquia é parte integrante da cultura portuguesa e em pleno século XXI não deveria haver lugar para ataques pessoais a quem simplesmente expressa uma opinião e um gosto pessoal que, neste caso, é comum a muitos portugueses.” – Federação Prótoiro