Moradores e clientes dos estabelecimentos comerciais da rua Padre João Rodrigues Ribeiro, junto ao Centro Escolar do Sacapeito, em Santarém, entregaram um abaixo-assinado na Câmara Municipal contestando o projecto de requalificação que se vai iniciar naquela zona da cidade.

Com duas centenas de assinaturas, o texto refere, em particular, a redução dos lugares de estacionamento, a alteração das condições de circulação, o miradouro sobredimensionado e a necessidade de abranger toda a envolvente do centro escolar, cujo acesso se faz por aquela rua, e de assegurar a ligação ao Campo Emílio Infante da Câmara, pedindo ao município que faça uma reavaliação do projecto.

Confrontado com o texto – entregue no final da reunião de Câmara de segunda-feira pelo porta-voz dos moradores, o antigo vereador socialista Celso Brás -, o presidente da Câmara de Santarém, Ricardo Gonçalves, referiu que alguns dos aspectos criticados se referem a um vídeo de apresentação do projecto realizado há dois anos e divulgado na página do município, mas que já teve alterações.

Afirmando que a obra já foi adjudicada, pelo que já não pode sofrer alterações, Ricardo Gonçalves afirmou que não só não se vão perder lugares de estacionamento, como serão criados 25 novos lugares, e assegurou que todas as questões levantadas no abaixo-assinado serão respondidas pelos técnicos da autarquia.

O autarca frisou que a opção por entregar a elaboração deste projecto, e de outros que constam do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU), aos técnicos do município garante que são feitos por quem “conhece todas as premissas e dinâmicas da cidade”.

Os moradores afirmam, no abaixo-assinado, que o projecto vai retirar 30 lugares de estacionamento e que vai transformar um arruamento com “carácter local (onde a circulação se realiza a baixa velocidade e com as devidas cautelas)” num “arruamento de atravessamento, onde as velocidades de circulação provocarão insegurança” e o aumento do ruído.

Por outro lado, afirmam que o miradouro projectado para o extremo da rua está “sobredimensionado”, tendo em conta as “características bioclimáticas”, que “não são as melhores para um local de estadia (área ventosa, exposta a ventos dominantes)”, pelo que sugerem que parte desse espaço seja usado para a criação de mais estacionamento.

Os moradores sugerem ainda que a área que separa o centro escolar da praça de touros seja igualmente considerado para circulação e estacionamento, e que seja considerada a existência de ligação entre o Campo Infante da Câmara, nos dois sentidos de circulação rodoviária, com as ruas Pedro Cid e Padre João Rodrigues Ribeiro.

Celso Brás declarou que os moradores ponderam avançar com “outras diligências mais formais”, como uma petição, caso as alterações referidas não respondam às suas preocupações.