Com o objectivo de divulgar o Projeto RUSDELA e estimular o interesse sobre sustentabilidade, inovação social e economia verde junto dos intervenientes das comunidades, a Sociedade Portuguesa de Inovação em colaboração com a Câmara Municipal de Coruche, apresentou no passado dia 18 de Janeiro no Observatório do Sobreiro e da Cortiça, o workshop “RUSDELA – Desenvolvimento Sustentável nas Comunidades Rurais”.

Este projecto cofinanciado pela Comissão Europeia expresso num consórcio internacional de sete entidades e seis países da Europa (Hungria, Bulgária, Itália, Grécia, Espanha e Portugal), pretende criar uma nova metodologia e base de conhecimento sobre sustentabilidade e desenvolvimento rural para os decisores e figuras-chave de pequenas comunidades rurais na Europa.

É neste enquadramento que este projeto está a desenvolver um Toolkit que apresenta um conjunto de ferramentas e metodologias de forma a atender aos desafios práticos que as comunidades rurais enfrentam no seu trabalho diário e com isso aumentar o seu bem-estar.

Estes quatro temas – desenvolvimento rural sustentável, agroecologia, transportes/mobilidade sustentável e resiliência/mudanças nas comunidades (que são comuns a todas as comunidades rurais dos países do consórcio), irão servir de base para o desenvolvimento deste Toolkit, i.e. um dossier de conteúdos e casos práticos que irá ser disponibilizado gratuitamente na plataforma online da RUSDELA, para servir de base de discussão à comunidade, com o objectivo de promover uma aprendizagem acessível e uma consulta pública facilitada.

O workshop contou também com a participação de Frederico Lucas, diretor executivo da Associação Portuguesa de Marketing Rural e Agronegócio e coordenador do Programa Novos Povoadores que realizou uma apresentação sobre o desenvolvimento sustentável em comunidades rurais.

Estes workshops tipo já foram igualmente apresentados em países parceiros do consórcio como a Itália, Hungria e Grécia. “Coruche foi um dos locais escolhido pelas características e identidade do seu território”, informa a nota enviada ao Correio do Ribatejo.