Martinho Vicente RodriguesNão pode a história da Fundação Madre Andaluz fazer-se com silêncios, seguimos a tradição dos tempos longínquos, ao fazer a comemoração dos seus 90 anos.

Aqui estamos com o espírito cheio de lembranças e o coração repleto de gratidão a evocar páginas da história, da Fundação Luiza Andaluz. Quantas memórias de um tempo num espaço ele próprio carregado de memórias. Obra magnífica, “para alumiar o mundo” sem qualquer acusação de crítica social, ilustra a lembrança, de uma das filhas lídimas desta terra, que lhe deu berço Luiza Andaluz, a pedagoga de invulgar lucidez e sabedoria, a intelectual por natureza.

A dimensão e importância da obra de Luiza Andaluz foi reconhecida, ainda em sua vida, por parte dos autarcas que, no ano de 1966, presidiam aos destinos de Santarém.

Foi assim que, em sessão de Câmara de 16 de Fevereiro, o vereador, Dr. Luis Filipe da Cunha Noronha Demony, propôs. “|…| que seja convocado o Conselho da Medalha de Ouro da Cidade, de modo a pronunciar-se sobre a proposta de uma concessão da mesma medalha à Reverenda Madre Dona Luiza do Vadre Santa Martha (Andaluz), que tantos benefícios tem distribuído à cidade de Santarém; e que a Câmara lhe testemunhe pública e oportunamente, da forma mais digna, o seu reconhecimento, prestando-se-lhe uma homenagem justamente merecida”.

Hoje evocamos com a alma envolta em esperança, o orgulho de estar a ser cumprido o futuro da Fundação Madre Andaluz.

Não envelheceu ainda a lição clássica, de que as terras se enobrecem pelo nome dos seus filhos, de todos aqueles, que pela vida e pelo exemplo, deram lustre ao seu berço.

O jornal “Correio do Ribatejo”, no dia 30 de Abril de 1966, dava a notícia:

“Madre Luiza Maria Langstroth Figueira de Sousa do Vadre Santa Marta de Mesquita e Melo (Andaluz), fundadora do Instituto de Nª Sª dos Inocentes e do grande colégio, que hoje tem o seu nome, nesta cidade, recebeu a Medalha de Ouro de Santarém. A entrega da medalha teve lugar no Salão Nobre da Câmara Municipal de Santarém, pelo então Governador Civil, D. Bernardo Mesquitela”.

Foi com estas palavras que a homenageada agradeceu:

“Decerto Vossas Excelências compreenderiam que, após cerimónia tão tocante, eu me abstivesse de falar, mas o meu coração santareno, deseja muito abrir-se em agradecimento à cidade onde os meus olhos, já cansados, viram pela primeira vez a luz do dia”.

Mais descreveu das suas recordações:

“ Nos tempos calamitosos da pneumónica, quando tantas crianças ficaram na orfandade, um grupo de Senhoras de Santarém, de que eu fazia parte, fez constar que se recolheriam todas as meninas órfãs de mãe que necessitassem de abrigo. Santarém abriu-se em caridade vindo todos ajudar-nos: proprietários, agricultores, comerciantes, empregados públicos, bombeiros (estes com o empréstimo de camas), vendedores do mercado que nos presenteavam com os produtos, que ao levantar da praça, não tinham vendido. Dentro em pouco, eram 60 as crianças que precisavam do nosso auxílio. Conseguida por generoso empréstimo do meu primo Anselmo Braamcamp, uma casa que possuía em Santarém e se encontrava desabitada, lá se instalaram as pobrezinhas. Mais tarde, posto em praça o velho Convento das Capuchas, foi, em grande parte, gente de Santarém e arredores, quem se ofereceu para emprestar dinheiro pelo tempo que fosse preciso, e quando quisemos pagar, negaram-se a recebê-lo! Foi assim que começou o Instituto de Nossa Senhora dos Inocentes!”

As suas palavras contém a chave para decifrar a eminente influência da sua onda de vitalidade na sua obra.

Em Outubro de 1924 já ali funcionava o então Asilo Creche de Nossa Senhora dos Inocentes, com estatutos e alvará aprovados em Maio do mesmo ano, pelo Governo Civil do Distrito. Mais tarde, tomaria os nomes de Asilo Creche de Nossa Senhora dos Inocentes e depois Instituto de

Nossa Senhora dos Inocentes, ficando a pertencer à Congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima e é hoje, a Fundação Luiza Andaluz.

Madre Luiza Andaluz criou uma atmosfera informal em que, em tom de conversa, calma, nobre e tranquila, nesta Santarém, ao longo de 90 anos é levada em digressão.

Madre Luiza Andaluz sabia que o país não se ia livrar de um embaraço crónico de protecção a muitas mulheres no alvorecer da vida, dos três anos aos dezoitos anos de idade, marcadas a sangue e dor pelos tempos calamitosos.

Deixou esta continuidade ao modo da Rainha Santa Isabel e do Bispo da Guarda, Dom Martinho, em 1321, que fundaram o Hospital do Inocentes junto às portas de Leiria. No ano de 1415, mudou as suas instalações para o início da Rua do Pereiro.

Quantas memórias ficaram dos tempos neste espaço, em que ele próprio está carregado de memórias.

Que se louve a inquietação da Congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima e de todos os que vêm dirigindo esta Fundação, que não se poupam a esforços para a sua recriação, de adaptação aos novos tempos. Que possam contar com o concurso de muitas vontades, recursos, competências e circunstâncias.

Assim, a Fundação Luiza Andaluz, notável lar e escola de vida, completou 90 anos, não isenta de dor, da vida madrasta. No seu espaço de tempo está o entrelaçar contínuo de uma tessitura, na cadeia permanente de ensinar e aprender. Centenas de meninas, provenientes de diversos extratos sociais, despertaram para a apetência insaciável dos porquês, e quantas descidas ao “antes do antes” do saber interpretar a comunicação como uma partilha de significações entre os indivíduos, mais ainda, avaliar a importância das expressões sociais na interacção pessoal.

Aqui se define nesta Fundação a autoestima e se especifica a sua formação. A par com a perspectiva das diferenças individuais, interessa o culto dos valores morais e éticos, que nortearam o rumo das suas vidas.

A pedagoga Luiza Andaluz dotada de grandiosidade e magnificência na simplicidade, continua a proporcionar formação nos domínios dos saberes, proporcionando às suas alunas o domínio dos saberes específicos, colados às ideias de progresso e vanguarda, condição de acesso a uma cidadania lúcida e solidária, para uma educação científica e tecnológica, educação para a saúde, meio ambiente e desenvolvimento duradouro.

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                         A acção e os méritos de Luiza Andaluz, ao longo das diferentes etapas da sua vida, estão por avaliar no espaço político e cultural. Está por fazer o debate intenso e dominador, que envolveu a intervenção antropológica, ideológica e de projectos, num trajecto de sucessos e dificuldades, em que Luiza Andaluz travou o combate da esperança. Hoje já podemos dizer, que encontramos o fundamental para a compreensão total da obra de Madre Luiza Andaluz, na cultura portuguesa.

Prof. Doutor Martinho Vicente Rodrigues