O Município de Ourém aprovou por unanimidade o orçamento para 2018 de 39,9 milhões de euros e as grandes opções do plano para o quadriénio 2018/2021.

Numa nota de imprensa, a autarquia, liderada por Luís Albuquerque (coligação PSD/CDS Ourém Sempre), adianta que o orçamento municipal, de cerca de 39,945 milhões de euros, e as grandes opções do plano, foram aprovadas por unanimidade em reunião de executivo.

Na nota introdutória, Luís Albuquerque salientou que neste orçamento existem aproximadamente 17,5 milhões de euros de compromissos assumidos pelo anterior executivo, que influenciam o documento apresentado, o que “impede de imprimir a velocidade pretendida a alguns projectos” que o executivo entende “como estruturantes para o desenvolvimento do concelho”.

“Os nossos projectos irão sendo implementados à medida que as circunstâncias o forem permitindo e o tempo, que tantas vezes serve de pretexto para adiar o inadiável, não será motivo para nos remetermos a um qualquer momento de passividade, pois o caminho é longo e as pessoas esperaram tempo de mais pelo que lhes foi prometido e não proporcionado”, referiu ainda o autarca.

Como áreas prioritárias, Luís Albuquerque destacou a aquisição de terreno junto ao Campo de Jogos do Vasco da Gama, para equipamentos escolares, o apoio ao investimento nos campos do C.D. Vilarense e do C.D. Fátima com a colocação de pisos sintéticos e o apoio à natalidade.

Outras prioridades passam pela requalificação do Cineteatro e do Castelo, num investimento total superior a um milhão de euros. As obras de requalificação da Avenida D. Nuno Álvares Pereira, em Ourém, contam com uma verba de 2,1 milhões de euros.

A autarquia prevê ainda intervenções no saneamento em Fátima, Espite, Matas e Cercal (1,5 milhões de euros).

Limpeza e manutenção de caminhos florestais (250 mil euros), apoio aos corpos de bombeiros, criação do cartão social do voluntariado, criação de um edifício de ‘start-up’ em Ourém, desenvolvimento dos projectos de criação e ampliação de zonas industriais em Caxarias e Freixianda são outros objectivos que contempla o plano.

Na sua declaração de voto, os vereadores do PS reconhecem que “o curto período do executivo PSD-CDS à frente da gestão do município foi utilizado para a concretização dos projectos deixados pelo anterior executivo, sem que tenham desenhado um projeto próprio e diferente daquele a que se opuseram para 2017”.

Cília Seixo, José Reis e João Caldeira Heitor (PS) referem que, “contrariando a tradição, votam favoravelmente o orçamento e as Grandes Opções do Plano, na medida em que estes documentos vão ao encontro de uma boa parte dos projectos e da gestão socialista”.

Os vereadores do PS alertam este executivo “para a necessidade de manter o foco na sua operacionalização, a bem do desenvolvimento do concelho de Ourém e do bem-estar de todos os ourienses”.

Os documentos previsionais serão agora remetidos para análise e votação na próxima Assembleia Municipal de Ourém.