Mau grado a existência da Associação Portuguesa de Empresários Taurinos (APET) e de nos seus princípios estar subjacente uma atitude de cooperação entre todos os agentes económicos que organizam festejos taurinos, os atropelos continuam e é o salve-se quem puder.

Vasco Durão, da empresa “Verdadeira Festa”, insurge-se em comunicado contra a organização no próximo dia 30 de Setembro de um conjunto de espectáculos taurinos na Monumental “Celestino Graça”, em Santarém – ainda não sabia? Nós também não!!! – a favor das vítimas dos incêndios de Pedrógão Grande, promovidos pelo empresário João Pedro Bolota e que, segundo Vasco Durão, coincidem com quatro datas tradicionais nas praças
de Évora, de Alcácer do Sal, da Póvoa de S. Miguel e de Vila Franca, prejudicando-as.

Eis o comunicado da polémica: “Anuncia-se para o próximo dia 30, em Santarém, um conjunto de espectáculos taurinos a favor das vítimas dos incêndios de Pedrógão Grande. Esta data, sem qualquer historial em Santarém, coincide com quatro datas tradicionais: Évora (dia 29), Alcácer do Sal e Póvoa de S. Miguel(- dia 30) e Vila Franca de Xira (dia 1). Esta coincidência em nada beneficia estas corridas, pelo contrário.

Faz algum sentido organizar um evento desta magnitude e não contar com os Grupos de Forcados de Santarém e de Montemor, ou com cavaleiros como João Moura, Rui Salvador e Luís Rouxinol, por exemplo, que actuam nesse dia?

Santarém teve uma data tradicional em Outubro, o terceiro fim-de-semana, em que se celebrava a Feira da Piedade. Porque não recuperar essa data, aproveitando para organizar em redor da Praça uma Feira com restaurantes, tasquinhas, lojas, artesanato, etc.?

Estas corridas, se por um lado prejudicam as datas tradicionais, também por elas são prejudicadas. Salvo raras excepções, nenhum aficionado que vá a uma das datas tradicionais irá também a Santarém.

Estamos a falar de sete ou oito mil pessoas que, noutra data, iriam a Santarém, e assim deixam de ir. São sete ou oito mil pessoas que deixam de comprar o seu bilhete, diminuindo enormemente a receita a reverter a favor das vítimas dos incêndios. E é disso que se trata, ou não?…

Esta ânsia de montar à pressa este conjunto de espectáculos, na véspera das eleições, deixa antever que haja aqui algum interesse eleitoralista… Infelizmente, sempre que a política se aproxima da Tauromaquia, é para dela se aproveitar.” Ass. “Verdadeira Festa”

Na verdade, no que se refere a Santarém, a Feira da Piedade começava – porque já está extinta e enterrada! – no segundo domingo de Outubro, mas, não podemos estar mais de acordo com o comentário de Vasco Durão.