Cerca de 30 Pequenas e Médias Empresas (PMEs) dos sectores agro-alimentar e turístico de Abrantes, Constância e Sardoal compareceram no Parque Tejo, em Abrantes, no dia 21 de Abril, para saber mais sobre a melhor forma de adaptar os seus negócios para melhor responder aos mercados externos.

O objectivo da TAGUS – Associação para o Desenvolvimento Integrado do Ribatejo Interior com esta sessão foi o de sensibilizar produtores e agentes turísticos para a importância da internacionalização, contando com os contributos da AICEP – Portugal Global Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal e do Turismo do Centro de Portugal, e ainda apresentar o projecto de formação-acção.

O projecto desta Associação de Desenvolvimento Local, inserido no Sistema de Incentivos “Qualificação das PME” – Formação-Acção, financiado pelo Portugal 2020, através do Fundo Social Europeu (FSE) e enquadrado no COMPETE 2020 – Programa Operacional de Competitividade e Internacionalização (POCI),é dividido em quatro fases. A primeira será de diagnóstico e definição do plano de acção para cada PME. Seguida de formação em sala para 2 a 3 colaboradores por empresa. Implementação do plano de acção e, por último, a avaliação.

Com a Formação-Acção da TAGUS, espera-se o aumento da qualificação específica dos trabalhadores em domínios relevantes para a estratégia de inovação, internacionalização e modernização das empresas e também o aumento da capacidade de gestão das empresas para encetar processos de mudança e inovação; promoção de acções de dinamização e sensibilização para a mudança e intercâmbio de boas práticas.

Salienta-se que as horas de formação profissional inseridas neste projecto contabilizam para as exigidas por lei.

Os produtores agro-alimentares, alojamentos, restauração e empresas de animação turística de Abrantes, Constância e Sardoal, que estejam interessadas em aderir a esta iniciativa, devem entrar em contacto com a TAGUS, através do e-mail tagus@tagus-ri.pt ou telefone 241 106 000.

Este projecto tem um investimento de cerca 124 mil euros, dos quais 85 mil euros são comparticipados pelo FSE. Com esta iniciativa, a Associação para o Desenvolvimento Rural pretende dar continuidade ao trabalho que vem desenvolvendo na promoção e valorização dos recursos endógenos do Ribatejo Interior.