A Escola Superior Agrária de Santarém (ESAS), em parceria com o Correio do Ribatejo associam-se às Jornadas Europeias do Património, este ano subordinadas ao tema: “Património e Natureza: Pessoas, Lugares e Histórias”, amanhã, sexta-feira, a partir das 14h00, na Biblioteca da ESAS, com a conferência “Modos de Produção Agrícola e a Protecção da Natureza” iniciativa das agrónomas Joana Godinho e Maria do Céu Godinho.

De seguida, será inaugurada, no mesmo local, a exposição “Comunicado aos Lavradores”, organizada por Teresa Lopes Moreira (Correio do Ribatejo) e Ana Teresa Jorge (ESAS).

O Correio do Ribatejo e o Serviço de Documentação da ESAS darão a conhecer o conjunto de artigos publicado pelo Eng.º Eduardo Sousa de Almeida (1887-1959) no ‘Correio da Extremadura’, como responsável do Laboratório de Sanidade Vegetal da Escola de Regentes Agrícolas de Santarém, entre os anos de 1933 e 1935, entre outra bibliografia do mesmo autor.

As actividades estão abertas a todos quantos queiram participar.

Município preparou programa diferenciado

O Município de Santarém assinala as “Jornadas Europeias do Património”, de amanhã a domingo com um conjunto diferenciado de actividades.

Subordinadas ao tema “Património e Natureza”, as jornadas pretendem chamar a atenção para a importância da relação entre as pessoas, as comunidades, os lugares e a sua História, mostrando como o património e a natureza se cruzam nas suas diferentes expressões – mais urbanas ou mais rurais – e para a necessidade de preservar e valorizar esta relação, fundamental para a qualidade da vida, para a qualificação do território e para o reforço de identidades.

Amanhã, sexta-feira, dia 22, pelas 21h00, a Loja do Cidadão acolhe a exposição “141 anos do Museu Municipal de Santarém” que pretende realçar o espólio da Reserva Museológica Municipal, numa perspectiva de maior proximidade e transversalidade com a comunidade.

Meia hora depois, pelas 21h30, será lançado o projecto educativo “Bora Pintar o Cabaceiro”, um “desafio criativo” lançado à comunidade escolar escalabitana.

Finalmente, ainda na Loja do Cidadão, decorrerá a conferência “Património e Natureza. Das Práticas Preservacionistas ao Desenvolvimento Sustentável”.

Sábado, pelas 10h00, terá lugar a caminhada ao arqueossítio de “Chões de Alpompé”.

Identificado em 1953 por Bairrão Oleiro e classificado como Imóvel de Interesse Público, Chões de Alpompé localiza-se num terraço fluvial na confluência entre os rios Tejo e Alviela com ocupação desde o Paleolítico. Conheça este sítio através de uma caminhada acompanhada, num circuito circular, com início e fim junto à entrada da Quinta de Alpompé (Vale de Figueira). A participação neste evento está condicionada a uma inscrição gratuita, com um limite máximo de 60 caminheiros.

Ainda no sábado, pelas 16h00, na Casa Pedo Álvares Cabral – Casa do Brasil, terá lugar a conferência “A simbólica lunar e o Ribatejo” pelo antropólogo Aurélio Lopes.

Pelas 21h30, em Alcanede, terá lugar um concerto pelo Coro do Círculo Cultural Scalabitano numa pedreira de extracção de calcários desactivada que assim ganha nova vida funcionando como sala de concertos natural ao ar livre (sinalizada na estrada nacional, pedreira PM1).

Domingo, a partir das 09h00, em Alcanede e Amiais de Baixo, Rota do Carso Scalabitano. Com partida e chegada de Santarém, este itinerário mostra algumas das infraestruturas e geossítios mais emblemáticos do Carso Scalabitano (Vale de Meios, Algar dos Potes, Dolina, Algar do Pena) e o papel do Arrife na fixação das comunidades agro-pastoris antigas. Um repasto de capado e uma palestra esclarecerão se o actual consumo deste ovicaprino terá uma origem milenar nesta área do Arrife. A participação neste evento está condicionada a uma inscrição gratuita, com um limite máximo de 50 pessoas.