A Federação Portuguesa de Associações de Suinicultores (FPAS) promove, quinta e sexta-feira, no Cartaxo, a oitava edição do Congresso Nacional de Suinicultura, ocasião para dar a conhecer a nova marca de certificação porco.pt.

O lançamento da marca, que visa identificar junto dos consumidores “o novo produto certificado lançado no mercado nacional pelos suinicultores portugueses”, vai acontecer na sexta-feira, numa sessão com a presença do ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, que fará igualmente a abertura do congresso.

O projeto porco.pt, iniciativa da FPAS, tem como objetivo “diferenciar para valorizar” e “surge como resposta do sector à crise vivida nos últimos dois anos”, afirma uma nota da federação.

“O produto criado e comercializado sob a nova insígnia implica o cumprimento de um rigoroso caderno de especificações, homologado pelo Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural e que regula todo o processo de produção, abate, transformação, comercialização e promoção de uma carne de qualidade superior”, num processo certificado por uma entidade independente de controlo e certificação, a CERTIS, acrescenta.

Mais de 400 profissionais do sector, entre produtores suinícolas, profissionais de saúde veterinária, farmacêuticos, representantes dos industriais de alimentos compostos para animais, bem como responsáveis oficiais das entidades regulamentares do sector, participam nos dois dias do evento, que visa “debater os temas mais pertinentes da suinicultura nacional”.

Entre os temas em destaque encontram-se a discussão das “estratégias de desenvolvimento e internacionalização, promoção de raças autóctones, melhoria das práticas de produção e a criação de metodologias de diferenciação da carne de porco pela qualidade”.

No final do congresso, e após o lançamento oficial da identidade gráfica da chancela porco.pt, “que atesta a qualidade desta carne integralmente produzida em Portugal”, acontece “um momento de degustação deste novo produto nacional” na Praça 15 de Dezembro, no Cartaxo.

A FPAS sublinha que o sector suinícola contribui com cerca de 560 milhões de euros para o Produto Interno Bruto nacional e emprega, “directa e indirectamente, vários milhares de famílias”.