Bertino Coelho Martins completou esta quarta-feira, 15 de Novembro, 90 anos de vida.
Motivo para um grupo de amigos celebrar com ele o seu aniversário, num jantar que decorreu ontem em Santarém e reuniu cerca de uma centena de amigos e familiares.
“Não fiz assim tanto para merecer tanto”, afirmou Bertino Coelho Martins depois de agraciado com algumas lembranças e muitas palavras de reconhecimento pelo trabalho de uma vida em prol do folclore, da música, etnografia e pelo exercício da sua actividade enquanto responsável pela Biblioteca Municipal.
Usaram da palavra, para além dos elementos que compunham a comissão organizadora do evento – Ludgero Mendes, Aurélio Lopes, Carlos Cruz e Luis Nazaré – alguns representantes de entidades que quiseram agraciar Bertino Coelho Martins. Entre eles, o presidente da Federação do Folclore Português, Daniel Café; Nuno Domingos, em nome do Círculo Cultural Scalabitano; Carlos Marçal, presidente da União de Freguesias da Cidade de Santarém; Jorge Ribeiro, pelo Grupo Académico de Danças Ribatejanas; entre outros amigos que enalteceram as qualidades profissionais e humanas de Bertino Martins.

O jantar foi animado por dois grupos folclóricos aos quais esteve intimamente ligado: ao Rancho Folclórico da Romeira e ao Grupo Académico de Danças Ribatejanas, no caso deste último, desde 1958.


Bertino Coelho Martins é natural das Lapas (Torres Novas), onde completou o ensino primário e aprendeu música na banda local, de que chegou a ser regente, tornando-se um dos músicos mais apreciados da sua geração.
Após trabalhar como ferreiro, numa forja das Lapas, Bertino Coelho Martins veio para Santarém ingressando na Câmara Municipal como contínuo, ao mesmo tempo que integrava a Banda dos Bombeiros de Santarém, a Orquestra Típica Scalabitana e os Grupos folclóricos fundados por Celestino Graça, nomeadamente o Rancho Folclórico do Bairro de Santarém (Graínho e Fontaínhas) e os Grupos Infantil de Dança Regional e Académico de Danças Ribatejanas, da nossa cidade.
Cioso por saber mais e mais, Bertino Coelho Martins prosseguiu os seus estudos e foi colocado na Biblioteca Municipal de Santarém, onde, após formação técnica na especialidade de Biblioteconomia, Arquivo e Documentação (BAD), ascendeu a principal responsável por esta instituição, onde desempenhou um trabalho notável.
Foi músico dos Grupos Infantil e Académico de Santarém, onde também sua esposa, a sempre lembrada D. Ivone Faria da Silva, tocou e cantou durante cerca de quatro décadas, e integrou o Conselho Técnico da Federação do Folclore Português durante largos anos, colaborando de forma superior com grupos e ranchos de folclore ribatejanos na área da etnomusicologia, ciência em que é, efectivamente, um dos mais reputados especialistas.
Bertino Coelho Martins integrou a Comissão Executiva da Região de Turismo do Ribatejo, onde foi o principal promotor dos Congressos de Folclore do Ribatejo, e presidiu à Junta de Freguesia de Marvila durante dois mantados, tendo desempenhado estas funções públicas com a maior ponderação e competência, pelo que é ainda hoje uma referência a nível desta actividade política.
Autor de diversos livros, entre os quais se destacam os que dedicou ao folclore ribatejano, Bertinho Coelho Martins é aos 90 anos de idade uma figura querida da nossa região, tendo mantido até há poucos anos regular colaboração com a imprensa regional, especialmente com o Correio do Ribatejo, cujo retrato integra a Galeria dos Notáveis do Jornal.
Pois, é este cidadão de excelsas qualidades que hoje cumpre o seu 90º aniversário na companhia dos amigos que todos queremos parabenizar com votos de muitas Felicidades.
Parabéns, amigo Bertino!