O Veto Teatro Oficina vai estrear, no final de fevereiro, em Santarém, um espetáculo inspirado na epopeia dos Descobrimentos, “Cantando Espalharei!…”, que envolve várias valências do Círculo Cultural Scalabitano (ballet, coro e orquestra), anunciou hoje o grupo.

Com estreia marcada para 24 e 25 de fevereiro, no Teatro Sá da Bandeira, a peça do Veto, com encenação de Nuno Domingos sobre um guião de José Ramos, envolverá o Ballet da Academia de Dança, o Coro e a Orquestra Típica Scalabitana, afirma um comunicado que divulga o plano de atividades do grupo para o ano de 2018.

A programação inclui ainda duas estreias para crianças, previstas para maio, com as “Novas Aventuras do Pantufa e do Augusto”, dois palhaços pobres, cujos personagens se reclamam herdeiros da tradição europeia do circo, com direção artística de António Júlio Rodrigues dos Santos e de Nuno Domingos, e “O Sonho do Palhaço Soneca”, um original de Eliseu Raimundo centrado na educação ambiental.

Também para maio, para o público adulto, o Veto “vai ao baú dos seus tesouros buscar os melhores dos seus textos, aos quais adiciona a poética mais atual, para a construção de um espetáculo que se pretende mordaz algumas vezes, crítico outras, mas também hilariante e bem-disposto”.

Com direção artística de António Júlio Rodrigues dos Santos e de Nuno Domingos, o espetáculo em “formato ‘Jograis’ será uma homenagem a esta forma de apresentar textos poéticos, mas também pretexto para evocar figuras do teatro de Santarém”, acrescenta a nota.

Em abril será apresentado “Branco Vermelho e Preto – 35 Anos Depois”, trabalho em que o grupo “retoma o caminho de apresentação de textos teatrais que procuram refletir a realidade social contemporânea, forma de contribuir para a sua mudança”, sob direção de Fernanda Narciso, que volta ao Veto para dirigir um texto de sua autoria.

Para o segundo semestre do ano, o Veto prepara a montagem de “Santarém – 150 Anos de uma Cidade”, espetáculo que “pretende contribuir para uma reflexão contemporânea proporcionada pelos olhares cruzados de uma dúzia de autores que serão convidados a escrever sobre a cidade”.

Além dos espetáculos, o grupo prossegue com a sua Academia de Formação, tendo agendados para março dois ‘workshops”, um sobre “Teatro de Objetos”, dirigido pelo ator e diretor artístico da companhia “Agora Teatro”, Bruno Cintra, e outro sobre “Sombras Chinesas”, com o artista plástico de Santarém Mário Tropa Alves.

Outros dois ‘workshops’ acontecerão no segundo semestre, sendo que a vertente formativa se destina aos atores do Veto, mas também a novos praticantes, desafiados a “experimentarem a arte teatral e puderem entrar para o grupo”.

Em itinerância, o Veto mantém as peças para crianças “Palhaços: Branquinho, Pantufa e Cabeça de Nabo”, “A Carochinha, o Urso Dorminhoco e Amigos” e “Pantufa e Augusto à Conquista de Santarém”, e, para adultos, os “Contos de Mário Gin Tonic”, uma homenagem ao ator Mário Viegas, e “Palavras de Poetas”, em parceria com a Banda Get Back.