Paulo Pessoa de Carvalho até vinha fazendo uma gestão apreciada na carismática “Palha Blanco”, porém, a última edição da Feira de Outubro constituiu um desaire tremendo, o qual poderá ditar, inapelavelmente, o afastamento do empresário desta difícil praça. Apesar de os cartéis também não terem merecido o consenso dos aficionados vila-franquenses, o aspecto ganadeiro foi essencialmente o que mais contribuiu para este desfecho, provocando um ambiente de grande hostilidade.

Devido a outros compromissos não foi possível assegurarmos a cobertura desta Feira, pelo que, com a devida vénia, aqui publicamos a breve, mas elucidativa, crónica de Catarina Bexiga, da revista Novo Burladero, sobre a tradicional corrida nocturna de terça-feira. A última gota de água…

“Este é o caminho para o fim… a desilusão, o descrédito, o desprezo. Se não mudarem de estratégia… Este é o caminho para o fim! A Festa de Toiros jamais sobrevive se não a cuidarem na arena. A principal forma de a defender. Pelo contrário, deixa de ter interesse; deixa de ter público; deixa de ser sustentável!

A corrida de Santa Maria escolhida para a nocturna de terça-feira na Palha Blanco resumiu-se a três toiros do ferro anunciado e outros três de Passanha. Um curro pessimamente apresentado, que motivou muitos assobios, muitos protestos, enorme desagrado! Quando para um empresário, o toiro perde protagonismo, o empresário também perde importância.

Para mais Paulo Pessoa de Carvalho tem a obrigação de conhecer o exigente público de Vila Franca. Não o perdoaram! Com todo o respeito que merecem as respectivas localidades, ser empresário da Palha Blanco é diferente de montar “touradas” em Vinhais, Morais e outras terras mais…

O clima na Palha Blanco chegou mesmo a aquecer, o que “regulou” o rumo dos acontecimentos… António Ribeiro Telles (colhido no seu primeiro, sem consequências de maior) teve uma passagem discreta pela Palha Blanco. Manuel Telles Bastos assinou duas actuações de paupérrimo conteúdo. E João Telles Jr. abreviou com o terceiro da ordem (um toiro malissimamente apresentado, com o qual o público se revoltou) e andou animoso no último.

Em noite de homenagem a José Carlos de Matos (cabo do grupo de 1973 a 1982) pegaram pelos Amadores de Vila Franca de Xira: Ricardo Castelo, à segunda tentativa, Márcio Francisco, à primeira, Tiago Oliveira (Salsa), à primeira, em noite de despedida, Francisco Faria, à primeira, com uma superior primeira-ajuda, Vasco Pereira, à primeira, e Rui Godinho, também à primeira. Uma noite para reflectir!”

Entretanto, o empresário Paulo Pessoa de Carvalho não presta, para já, declarações à imprensa, face às duras críticas de que foi alvo após a realização das duas corridas da Feira de Outubro, reservando-se, contudo, para a divulgação das “variadas razões que oportuna e detalhadamente serão explicadas”, deixando a indicação de que irá “avançar judicialmente com algumas situações que se passaram, por isso, para já, mantenho-me em silêncio”.

Enfim, aguardemos pelas cenas dos próximos episódios, mas lá que as coisas não andam bem, isso não andam.